09/04/2012

Concursos Públicos, por que TI tem que ter uma concorrência tão ampla?

Na última semana estive observando os Concursos Públicos que foram abertos para quem é formado na Área de Informática e possui Diploma de Graduação em Nível Superior. Ou seja, passou 4 anos em uma cadeira na Universidade, aprendendo, adquirindo conhecimento e se embasando em cima de livros, pesquisa, aulas com professores conceituados e troca de experiência entre alunos. E acredito que quem fez isso não estava afim de perder 4 anos de sua vida e se dedicou inteiramente em disciplinas complexas. Eu sempre falo que entrar é fácil, difícil é se manter lá dentro. E é mesmo. Imagina estudar Programação sem nunca ter visto e depois ver Inteligência Artificial, Conexionismo, Estrutura de dados, Computação Gráfica, Qualidade de Software, Haskell, Prolog, UML, Padrões de Projeto, Gerência de Projetos e outras matérias não menos importantes.


Um desses concursos me chamou a atenção e, não foi a primeira vez que pude observar, após ler o edital e as vagas referentes ao cargo de Analista de Sistemas: O Concurso da Petrobras. Os requisitos mínimos para se prestar concurso para preencher as vagas de Analista de Sistemas da Petrobras, o canditado deverá ter Diploma, devidamente registrado, de curso de graduação de nível superior, bacharelado ou licenciatura, em Computação, Informática... e, incrivelmente, Administração, Arquitetura, Arquitetura e Urbanismo, Astronomia, Bioquímica, Ciências Atuariais, Ciências Contábeis, Economia, Engenharia, Estatística, Física, Geofísica, Geologia, Matemática, Meteorologia, Oceanografia, Oceanologia ou Química, reconhecido pelo Ministério da Educação, Secretarias ou Conselhos Estaduais de Educação; ou certificado de conclusão ou diploma, devidamente registrado, de Curso Superior de Tecnologia, com carga horária mínima de 2.000 horas, em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Banco de Dados, Gestão da Tecnologia da Informação, Redes de Computadores, Segurança da Informação ou Sistemas para Internet, reconhecido pelo Ministério da Educação, Secretarias ou Conselhos Estaduais de Educação.

O que Administração, Arquitetura, Arquitetura e Urbanismo, Astronomia, Bioquímica, Ciências Atuariais, Ciências Contábeis, Economia, Engenharia, Estatística, Física, Geofísica, Geologia, Matemática, Meteorologia, Oceanografia, Oceanologia ou Química tem a ver com Análise de sistemas? Absolutamente nada. Você pode desenvolver um sistema para trabalhar com essas disciplinas, mas não é Informática. Ou será que quem cursa esses cursos estuda Programação, Inteligência Artificial, Conexionismo, Estrutura de dados, Computação Gráfica, Qualidade de Software, Haskell, Prolog, Gerência de Projetos, UML, Padrões de Projeto, etc. Certamente não.

Ou seja, basta saber um pouco de Computação que com qualquer diploma você estará apto a concorrer para uma vaga de Analista de Sistemas. Pode ser que na hora da prova, os 4 anos de estudo na área faça falta. Porém, alguns conceitos só são vistos quando se enfrentam vários períodos na faculdade.

Agora uma pergunta: tenho direito de concorrer a vagas de Administração, Arquitetura, Arquitetura e Urbanismo, Astronomia, Bioquímica, Ciências Atuariais, Ciências Contábeis, Economia, Engenharia, Estatística, Física, Geofísica, Geologia, Matemática, Meteorologia, Oceanografia, Oceanologia ou Química ? Claro que não, certo?

Isso acontece pois até hoje não temos um Conselho Federal e Conselhos Estaduais para regulamentar e proteger o setor. Qualquer papagaio que compre uma revista na banca, já está apto a fuçar em computadores de outrem ou fazer programas, sem um mínimo de embasamento teórico. Se você levantar um prédito ou tratar de um paciente sem ser formado ou ter registro, você pode ir para a cadeia.

O que é estranho é que a SBC, Sociedade Brasileira de Computação, que foi criada em 1978, tem uma posição totalmente contrária a isso e deixa margem para que qualquer pessoa possa exercer a profissão de Informática e que, apesar de informar que a área deve ser regulamentada, nenhum conselho de profissão deverá criar impedimentos para que a profissão seja exercida.

Houve  na câmara dos deputados, um  projeto de lei, PL 1561/2003, apoiado pela SBC e que foi arquivado em 2007 com o término da Legistratura 2003-2006, ou seja, até hoje não temos uma definição sobre o setor. Logo no primeiro artigo, você poderá ver que o setor será totalmente prejudicado e que esta lei é praticamente nula.

Art. 1º - É livre em todo o território nacional o exercício de qualquer atividade econômica, ofício ou profissão relacionada com a Informática, independentemente de diploma de curso superior, comprovação de educação formal ou registro em conselhos de profissão.


Enfim, era um projeto de lei composto por vários artigos que não mudavam em nada a nossa situação e, como vários projetos, foi uma grande perda de tempo na câmara dos deputados.

E você? Concorda, discorda, acha que qualquer um pode exercer a profissão ou devemos ter conhecimento técnico-científico para isso? Eu apoio a criação de um conselho para regulamentar a profissão para proteger quem lutou para atravessar vários períodos em uma Universidade. Se você discorda, tudo bem, mas não deixe de mandar a sua opinião. 

Obrigado a todos e até o próximo post!

/* Graças a uma parceria do Blog InfoAqui com a livraria Ciência Moderna, todo mês será sorteado um livro entre as pessoas que curtiram o Blog InfoAqui no Facebook. Não deixem de participar, curtam o nosso Blog no Facebook e convide seus amigos. */

6 comentários:

Anônimo disse...

É provável que esses concursos sejam abertos para tentar aproveitar algum funcionário contrato mas que trabalha com desvio de função.
De qualquer forma, criar reserva de mercado é algo terrível, que vença o mais preparado na prova!

Natalia disse...

Acho que o que acontece é que muitas pessoas que trabalham na área não tem realmente o diploma e/ou caíram na área de "para-quedas" e possuem outro diploma e trabalham na área. Concordo que deveria ser regulamentado, senão nossa profissão acaba virando bagunça. Em Engenharia, por exemplo, se a pessoa trabalha na área, logo trata de se formar "oficialmente" senão não pode tirar o CREA. Pq na nossa profissão, tem que ser assim? Até Jornalismo que agora não precisa ter diploma, em concursos, o diploma é exigido.

Júlio César Corrêa disse...

Concordo!

Kal Carvallho disse...

Navegando esses dias pela Internet, descobri que nossa profissão já foi regulamentada, como segue abaixo. Então, o que faz abrirem uma vaga para Analista de Sistemas, para o candidato só poderá exercer a profissão se possuir diploma?

A comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) aprovou a proposta que regulamenta o exercício da profissão de analista de sistemas. Segundo a Agência Senado, a proposta, conhecida como PLS 607/07, de autoria do senador Expedito Júnior (PR-RO), deve seguir para a análise da Comissão de Assuntos Sociais, em decisão terminativa. Somente profissionais com diploma superior em Análise de Sistemas, Ciência da Computação ou Processamento de Dados poderão exercer a profissão, de acordo com o substitutivo aprovado pela Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT), e áreas correlatas.

A proposta diz que cabe ao profissional "a responsabilidade técnica por projetos e sistemas para processamento de dados, informática e automação, assim como a emissão de laudos, relatórios ou pareceres técnicos".

Outra profissão citada é a de técnico de informática, que poderá ser exercida por pessoas que tenham diploma de ensino médio com curso técnico em Informática ou de Programação de Computadores.

Kal Carvallho disse...

Será que dá para entrar com uma ação no caso de uma pessoa que não possua diploma na área entrar no lugar de quem possui?

DAMARES disse...

Realmente é preocupante para nós na área, este ano concluo Engenharia da Computação, ainda temos o CREA, mas ja ouvi rumores de que o MEC esta querendo fazer-nos aderir à Ciencia da Computação no ENADE, isso nos levaria a perder o CREA se nos tornarmos uma modalidade de Ciencia da Computação, estamos preocupados desde ja com essa posição do MEC que no ano de 2011 não fez aplicação do ENADE pelas Engenharias mas sim pela Ciência de Computação, e deu a opção de que a faculdade que quisesse aderir para aplicação dos seus alunos em Engenharia da Computação poderia sim fazer só que dentro de Ciencia da Computação. Enfim vamos ver o que da tudo isso, o dificil é ter que admitir que quem regulamenta tudo isso não tem a plena noção do que é a nossa área, principalmente quem fica nos estudos e não possui tão bem a prática dessa profissão. Até mais entao galera....