11/02/2012

Diafragma, Obturador e ISO, você sabe o que são?

Lembro-me bem de quando ganhei meu primeiro equipamento fotográfico e fui procurar os termos que não conhecia no manual. Pensei: “ISO, abertura do diafragma, velocidade do obturador, EXIF, profundidade de campo? Isso perece os nomes estranhos das aulas de Biologia.”
Alguns de vocês podem achar engraçado, mas não dominar o conhecimento sobre Fotografia e ter um belo equipamento profissional em casa não é recomendável. Aproveitar os bons recursos dependerá de quanto conhecimento técnico e artístico você tem. Por isso irei abordar os principais termos técnicos usados na Fotografia, visando esclarecer dúvidas e solucionar problemas daqueles que ainda não se familiarizam com seu equipamento.
Abertura do diafragma
Você com certeza já viu uma foto o qual o fundo esta completamente desfocado, que parecem pintadas de tão belas. Esse efeito de desfoque só é possível com o controle da abertura do diafragma e de outras funções como a distância focal. O diafragma regula a quantidade de luz que chegará até o sensor. Comparando a câmera ao olho humano temos o diafragma funcionando como a pupila, nos dias mais claros elas se contraem e em dias com pouca luz ou a nas noite elas se dilatam para que possa entrar mais luz. O diafragma funciona da mesma maneira pequena a abertura pouca luz, abertura maior mais luz simples assim.

Relação: Abertura do Diafragma x Profundidade de Campo
A profundidade de campo determina o quanto da imagem estará em foco e o quanto estará em bokeh. Quanto MAIOR a abertura do diafragma menos parte da imagem estará em foco. Quanto MENOR a abertura, mais parte da imagem estará em foco.

Um pequeno problema, mas fácil de ser resolvido, ocorre quando desejamos colocar pouca coisa em foco numa imagem e a luz está bastante intensa. Precisaríamos de uma grande abertura, mas entraria ainda mais luz no sensor, o que deixaria a imagem superexposta. Como resolver? Mantenha a menor abertura possível e compense aumentando a velocidade do obturador.
Velocidade do Obturador
Você já se pegou vendo uma fotografia de grafite de luz ou uma do momento exato que uma gota cai na água e pensou: "Sem Photoshop não seria possível!". Um ou outro ajuste até é feito no Photoshop mas a base da fotografia é simples de se obter. Tudo dependerá da velocidade do obturador, uma espécie de cortina que protege o sensor da luz. O bom resultado de uma foto depende, além de uma série de fatores, da velocidade do obturador, o que torna esse aspecto um elemento crucial no nosso estudo.
O obturador controla o tempo de exposição à luz necessário para fotografar. Quanto menor for a velocidade do obturador, maior será a quantidade de luz a sensibilizar o sensor. Na câmera, a velocidade do obturador é exibida no sensor da câmera através de uma fração, que se refere a uma fração de segundo.  Quanto maior o denominador, mais rápida será a exposição. Quanto menor o denominador, mais devagar será. Entenda melhor abaixo:
  • 3” (3 segundos): Baixa velocidade.
  • 1/60 (0,016 s): Velocidade média.
  • 1/500 (0,002 s): Alta velocidade.
A alta velocidade permite que os objetos de cena pareçam congelados no tempo. Imagine o momento exato de um acidente na moto velocidade. Se quisermos capturar esse exato momento, deveremos usar uma alta velocidade do obturador.

As baixas velocidades são utilizadas para fotografias também conhecidas como fotografias de longa exposição, como os grafites de luz. Se você dispuser de um tripé, é interessante colocar a câmera imóvel e controlara velocidade através do modo Bulb.

ISO
O  ISO indica a sensibilidade do sensor em receber a luz. Os valores de ISO podem variar de 100 a 6400, ou até mais. Quanto maior o valor, mais sensível a câmera se torna à luz. Em outras palavras, quanto maior o valor, menos luz é necessária pala iluminar a cena.
Em fotografias noturnas, o modo automático da câmera ajusta a sensibilidade ISO para valores relativamente altos, como 800. A desvantagem de usar números elevados é que quanto maior ele for, mais granulado haverá na imagem, prejudicando fortemente o resultado final. A vantagem de usar altos valores é que a velocidade da captura poderá ser maior, possibilitando o congelamento de um momento rápido sem a perda total da iluminação.
Se o granulado nas imagens não for seu objetivo na execução da fotografia, use ISO com um valor baixo e ative o flash embutido na câmera ou um flash externo. Também é importante não tentar corrigir o granulado das fotos com algum filtro “Blur” do Photoshop. Além de errado, a imagem fica com uma aparência nada profissional.

Observações:
1 - BOKEH (origem: japonês BOKE) Termo usado por fotógrafos para se referir às partes desfocadas da imagem.
2 - A profundidade de campo é também conhecida pela sigla PC ou DoF (Depth of Field)
3 - Função BULB - Função quer permite que o obturador fique aberto enquanto o fotógrafo estiver pressionando o botão de disparo.
4 - Para fotografar em baixa velocidade, é necessário utilizar tripé. Para saber se a risco de a câmera tremer sem a utilização deste, deve-se saber a distância focal (posição do zoon). Com ela no 55mm, a velocidade

2 comentários:

Fernando Miranda disse...

Muito legal o seu post. Já estou amadurecendo a ideia de comprar uma câmera semi-profissional.

Juliane disse...

Foda!!! Vc tirou várias dúvidas minhas. Parabéns pelo post. Parabéns pelo blog.