11/11/2008

FireFox X Internet Explorer - Disputa desleal

É muito lógico: a única vantagem do IE contra o Firefox é que ele vem junto com o Windows. Queria ver, antigamente isso não aconteceria - Nos tempos do Win 3.11, quando tínhamos que instalar o navegador, o recordista de downloads e utilizações era o falecido Natscape. Fica claro que o Internet Explorer leva vantagem sendo um “parasita” (um sistema que vive à custa de outro).

Uma análise da Net Applications mostrou que o navegador Firefox, da Fundação Mozilla, ganhou mais terreno enquanto o uso de seu principal concorrente, Internet Explorer, da Microsoft, teve uma pequena queda. Desde o começo do ano, o uso do Firefox cresceu 2,99%; o Safari, da Apple, 0,75%, o vovô Opera, 0,13%; e o iniciante Chrome, da Google, 0,74%. Entretanto, o Internet Explorer já perdeu espaço para seus concorrentes de 4,2%. Hoje temos 20% de uso do Firefox contra 71,27% do IE.

Continuo dizendo que a disputa relatada acima não é justa. Outras pesquisas mostram que a utilização do Windows aumentou. Veja: os internautas que usam Windows cresceram de 90,29% para 90,46%. A presença online de usuários do Mac OS X caiu de 8,23% para 8,21% e a de usuários de Linux caiu de 0,91% para 0,71%. A navegação no portátil iPhone viu aumento de 0,32% para 0,33%.

A pesquisa pode ser vista no site: marketshare.hitslink.com.

2 comentários:

Renato Bettim disse...

O falecido NetScape está devidamente instalado em sua ultima versão na minha máquina para que eu possa fazer testes de cross-browser em todos os sites que desenvolvemos.
E a tempo: SOU FÂ DELE AINDA !!!

Pedro disse...

Não sou de ficar comentando noticia, mas só "nerd" se preocupa com fidelidade de browser. O usuário comum e leigo não está preocupado com que browser ele tá usando, ele vai usar o que for mais facil e der o resultado que ele espera (no caso navegar na internet). Se vai ser usando IE, FF ou bola de cristal tanto faz!

Ahhh... só pra deixar claro eu trabalho com desenvolvimento de sistemas e tenho na minha máquina IE, FF, Chrome e Opera!

Abraços,
Pedro